Entrevista com o Dr. Pedro Lucena

0 comentários
O nosso entrevistado é o senhor Pedro de Lucena Dias que nasceu em Pirpirituba – Paraíba em  23 de outubro de 1921 e atualmente está com 93 anos. 

Médico aposentado, graduado pela Universidade Federal de Pernambuco;

Também aposentado como professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, sendo um dos pioneiros; 

Ex- combatente da Marinha, tendo participado da Segunda Guerra Mundial, desde o seu início até o final; 

Primeiro tenente da Marinha, do quadro de médicos;

Foi deputado estadual por duas legislaturas e deputado federal por três legislaturas. Na Câmara Federal ocupou o cargo de Presidente da Comissão de Saúde, e posteriormente foi vice- presidente da Comissão de Serviço Público;

Após estudos da Bíblia escreveu o seu primeiro livro: “A Medicina e a Bíblia”, onde procura mostrar a grande relação entre o que a Medicina diz e o que diz a Palavra de Deus contida na Bíblia. 

Acabou de escrever sua autobiografia, com o título “Eu, Pedro Lucena”, onde conta sua história de vida mostrando-nos que “o Homem é o que quer ser”...

1. Dr. Pedro Lucena, por que o senhor deixou a política?

Eu trabalhava demais, me dedicava demais, não é um caminho suave para o político que realmente trabalha, é um caminho de sofrimento e perigoso; perigoso porque você pode se transformar, podendo também até morrer, como eu ia morrendo com um derrame cerebral em 1974, por excesso de trabalho e preocupações; mas mesmo assim ainda fiquei muitos anos na política. Também o número de desonestos é grande, os que venceram como desonestos é grande, e como este tipo de atitude e comportamento não estão de acordo com meu modo de pensar e agir, achei melhor deixar a política. 

2. O senhor é conhecido como o “médico da pobreza”, a que se deve este título?

Logo que me formei, em Recife, vim morar em Natal. Desde que cheguei em 1954, sempre me dediquei totalmente ao povo pobre; fazia visitas em suas casas e consultava sem cobrar. Todo cliente que eu atendia em meu consultório, depois também visitava em sua casa, para ver o resultado de minha consulta e saber como estavam passando. Criei este hábito, e por isso me tornei político quase por um acaso.

3. Fale sobre o seu novo livro, “Eu, Pedro Lucena”...

Houve uma insistência da parte de meus filhos e minhas filhas para que eu escrevesse sobre minha vida, relutei por muitos anos, porque eu não tinha interesse, nem me sentia motivado. Mas, depois fui convencido, de que falando sobre minha vida, poderia ajudar a alguém que lesse meu livro; podendo ter alguma coisa boa a aproveitar, ou fatos e palavras que pudessem servir de incentivo para alguém. 

4. O senhor acha que o homem é capaz de alcançar qualquer objetivo?

Perfeitamente, querer é poder, é a minha resposta. O homem é aquilo que ele quer ser; isso não fui eu quem disse, nem inventei; li em livros de alguns cientistas, que diziam que o homem é o quer ser; isso está incluído também, naquilo que me deu ânimo e me deu vontade de vencer. Foram justamente frases e palavras como estas, que eu encontrei, quando lia ou quando estudava, desde meu tempo de Ateneu, que me motivavam a lutar por meus objetivos. 

5. Qual o conselho que o senhor daria aos jovens de hoje?

Ter força de vontade, ser honesto, ver o exemplo daqueles que são honestos e venceram mesmo sendo honestos. Então, vendo o resultado deles, vocês podem imitá-los e seguir seus caminhos. 

6. Para quem quiser conhecer melhor a sua história, como adquirir seu novo livro?

Antes agradeço a aqueles que me proporcionaram esta oportunidade de poder falar um pouco sobre meu livro, no qual mostro com minha vida, que, o homem é o que quer ser!  Agradeço também a todos que se interessaram e que irão adquiri-lo, desejando que minha história e minhas palavras, possam ser “boas sementes”...

Quem quiser solicitar o meu novo livro “Eu, Pedro Lucena”, e/ou o antigo, “A Medicina e a Bíblia”, pode entrar em contato com minha filha Noêmia, através do e-mail lucenanoemia@yahoo.com.br, que estaremos a sua disposição.


Compartilhe:

Postar um comentário